Neste ano foram defendidas 14 teses.

Útlima atualização 04/02/2020

 

Ana Cristina Baptista de Abreu

Título:Processamento de orações relativas na aquisição do português brasileiro em contexto de INPUT variável

Orientador: Christina Abreu Gomes Páginas: 155


Esta pesquisa se propõe a investigar o processamento de orações relativas no Português Brasileiro (PB) observando a compreensão e a produção por crianças em estágio aquisitivo moradoras do Rio de Janeiro. As orações relativas no PB constituem uma variável sociolinguística e, segundo Tarallo (1986, 1993) e Mollica (2003), encontram-se em um avançado estágio de mudança no que tange à relativização, visto que o uso das relativas preposicionadas se concentra nas variantes não-padrão naquelas orações em que o local de extração é preposicionado. Esta tendência faz parte do input recebido pelas crianças em estágio de aquisição. Desta forma, as crianças têm acesso a um input variável. Este trabalho adota os pressupostos da Sociolinguística Variacionista e dos Modelos baseados no Uso, que apontam a importância do input e da experiência advinda deste para a aquisição, já que é através do uso da língua em contextos de interação que a gramática emerge, segundo Ambridge, Kidd, Rowland, Theakston (2015) e Tomasello (2000, 2006). Ademais, baseia-se também no pressuposto de Diessel e Tomasello (2005), Diessel (2009) e Diessel & Hilpert (2016), segundo o qual a frequência e similaridade da estrutura em aquisição com outras sentenças da língua também exercem papel na aquisição. Para a realização destas investigações, a pesquisa utiliza dois experimentos, já que através de ambientes controlados é possível investigar melhor o comportamento das crianças perante as estruturas pouco frequentes na fala como as orações relativas. Foi elaborado um experimento para acessar a compreensão das relativas pelas crianças através de seleção de figuras, ao passo que a produção foi observada através de um experimento de repetição já aplicado por Abreu (2013). Este foi reaplicado visando comparar o comportamento das mesmas crianças para a produção e a compreensão. Os resultados do experimento de compreensão realizado com crianças com idades entre 3;0 e 6;11 revelou que as relativas são adquiridas em processo de expansão gradual, de maneira que a experiência influencia neste processo, já que houve uma queda nos níveis de erros em todas as posições sintáticas utilizadas com o aumento da idade. Com relação ao local de extração, as relativas de sujeito são as mais simples, independentemente da variante, isto é, apresentaram menor taxa de erro, ao passo que as relativas de objeto direto e complemento preposicionado foram as mais complexas para todas as crianças independentemente da idade. Este resultado comparado ao da produção de relativas de objeto direto do estudo de Abreu (2013) e o obtido no presente estudo, indica que, para10 as relativas, compreensão e produção não estão sempre em relação simétrica, principalmente considerando o desempenho das crianças mais velhas. O experimento revelou também que as relativas de complemento preposicionado, para as crianças mais novas, foram as mais difíceis, uma vez que apresentaram as maiores taxas de erros, decrescendo entre as mais velhas. Neste último caso, a frequência de uso da variante cortadora, frente à variante padrão e a similaridade estrutural com a estrutura SV(O), não só facilitaram a compreensão, como também possibilitaram um mapeamento dessas estruturas, já que são variantes da mesma variável, ampliando os padrões de língua abstraídos, fazendo com que a produção se mostre como mais tardia em relação à compreensão.

 

Alzira da Penha Costa Davel

Título:As construções denominal e deverbal [DAR UAM X-(A)DA (SPREP)] numa perspectiva dos modelos baseados no uso

Orientador: Maria da Conceição A. de Paiva Páginas: 179


Esta tese propõe uma análise das microconstruções licenciadas pelo esquema [DAR UMA X-(A)DA (SPREP)]. Focalizamos os padrões [DAR UMA N-ADA SPREP], [DAR UMA V-DA SPREP] e [DAR UMA V-DA], que recrutam, respectivamente, diversas bases nominais e verbais. Com base nos pressupostos dos Modelos Baseados no Uso, em especial, da Gramática de Construções Baseada no Uso (GOLDBERG, 1995, 2006; CROFT, 2001; TRAUGOTT & TROUSDALE, 2013), buscamos identificar as propriedades dessas microconstruções e sua organização em rede. Para tanto, analisamos uma amostra constituída de textos semi-informais, extraídos de blogs e sites, que versam sobre temáticas diversificadas. A hipótese central que norteia este estudo é a de que os esquemas denominal e deverbal estão ligados ao esquema mais abstrato [DAR UMA X-(A)DA (SPREP)] que sancionam microconstruções com diferentes graus de chunking, isto é, com maior ou menor composicionalidade, a depender da sua frequência e dos contextos em que ocorrem. A proposta pauta-se na compreensão de que os esquemas denominal e deverbal expressam noções aspectuais, de modo que as denominais codificam eventos pontuais e as deverbais codificam eventos breves. Partimos, ainda, do pressuposto de que, por integrarem a vasta rede de construções com o verbo DAR, eles são motivados. Outra hipótese diz respeito à relação de herança entre esses esquemas e a construção bitransitiva que, prototipicamente, codifica o frame de transferência de posse. A análise fornece evidências de que o esquema deverbal sanciona diversas microconstruções: intransitivas e transitivas que possuem elos de herança distintos. As microconstruções denominais e deverbais transitivas guardam relações de herança com a Construção Bitransitiva, através de elos metafóricos, em que a transferência de eventos é concebida como objetos concretos. No entanto, as denominais, relacionam-se também com a Construção Resultativa, configurando-se um caso de herança múltipla. Por outro lado, as microconstruções deverbais intransitivas se associam à Construção Resultativa de trajetória não-causativa. As relações de todas essas microconstruções são intermediadas pelo esquema maior [DAR UMA X-(A)DA (SPREP)]. Um outro aspecto que ressalta da análise é a maior produtividade do padrão construcional deverbal em relação ao padrão denominal.

 

Caroline Soares da Silva

Título:Abordagem cognistivista dos usos do presente em manchetes e subtítulos jornalísticos

Orientador: Lilian Vieira Ferrari Páginas: 179


Esta tese examina escolhas temporais em manchetes e subtítulos de jornais online em português, sob a perspectiva da Gramática Cognitiva. A análise tem o objetivo de investigar os mecanismos cognitivos e pragmáticos associados ao uso do Presente do Indicativo para referência a eventos passados, contrastando-o com usos do Passado no mesmo contexto. A investigação parte da noção de imediaticidade epistêmica, referente ao presente simples em inglês (LANGACKER, 2001, 2009), expandindo-a para acomodar atos de fala. A pesquisa permitiu reconhecer as estratégias discursivas e pragmáticas que revelam as facetas distintas do ato de dar a notícia, articuladas às escolhas temporais, envolvendo processos de conceptualização e a imediaticidade pragmática. Os resultados indicam que o uso do Presente do Indicativo predomina nas manchetes, e que a combinação temporal mais frequente é MANCHETE (Presente) – SUBTÍTULO (Passado).

 

Flávia Leonel Falchi

Título:Indígenas isolados Páno e FUNAI: um encontro discursivo possível

Orientador: Tania Conceição Clemente de Souza Páginas: 223


Nesta tese, objetiva-se apresentar, sob a perspectiva da Análise de Discurso de Linha Francesa, um estudo do verbal e do não verbal nos primeiros contatos com indígenas isolados da família etnolinguística Páno no final do século XX e início do século XXI, na Amazônia, na fronteira do Brasil com o Peru. O trabalho analisa os efeitos de sentidos produzidos nos contatos realizados no Brasil entre Fundação Nacional do Índio – FUNAI – e isolados Páno, assim como as condições de produção desses contatos. A noção de contato é trabalhada na tese como confronto. O estudo tem o objetivo de analisar o papel da memória e do imaginário na constituição desses confrontos, o funcionamento do verbal e do não verbal no discurso produzido nesses primeiros encontros entre indígenas e não indígenas, considerando-se as formações ideológicas dos sujeitos presentes neles em relação à produção de efeitos de sentidos. A pesquisa trata dos encontros realizados com isolados Páno após a mudança de política da FUNAI, em 1987, quando o órgão passa a priorizar uma política cuja finalidade é garantir o isolamento. Na tese, são trabalhados, então, os confrontos com os grupos Korubo e Sapanáwa. O corpus foi constituído a partir de recortes em um vídeo divulgado pela FUNAI com imagens do primeiro encontro com indígenas Sapanáwa e por recortes em textos já publicados, nos quais são entrevistados indígenas intérpretes dos Korubo e dos Sapanáwa e um indigenista que participou do encontro com os Korubo. O estudo analisa o silêncio dos isolados em relação aos não índios e grupos indígenas já contatados, silêncio que antecede o contato durante o período de isolamento. A construção histórica da posição do indígena intérprete também é estudada. As estruturas linguísticas presentes no primeiro contato, materializando o discurso, são descritas na tese. O verbal e o não verbal são analisados tendo como base a cultura Páno.

 

Júlia Langer de Campos

Título:A competição entre [verbo ADJETIVO ADVERBIAL] e [verbo XMENTE] na rede construcional qualitativa do português brasileiro: uma análise centrada no uso

Orientador: Maria Maura da Conceição Cezario

Co-orientador: Priscilla Mouta Marques Páginas: 148


Esta tese tem como objetivo central descrever as propriedades de cunho formal e funcional que caracterizam uma construção adverbial qualitativa não-prototípica, os chamados adjetivos adverbiais, em que um adjetivo forma com o verbo um par de forma e sentido no português (Ex.: Maria falou claro), e compará-la com o padrão de modificação canônico, cuja base lexical seja a mesma daqueles (Ex: Maria fala claramente). Pautamo-nos no arcabouço teórico-metodológico da Linguística Funcional Centrada no Uso, segundo o qual a língua é conceptualizada como uma rede simbólica de construções, apresentando níveis hierárquicos relacionados aos diferentes graus de esquematicidade. Assim sendo, a construção [V Adjetivo Adverbial]Qualit é um pareamento de forma e função instanciado por um esquema maior [V Adverbial]Qualit, o qual também licencia as construções com advérbios em -mente, representada por [V Xmente]Qualit..

Para isso, coletamos dados no Corpus do Português web para a análise dos seguintes fatores: (i) frequência type e token do verbo e do adjetivo; (ii) tipo semântico do verbo e do adjetivo; (iii) transitividade verbal; (iv) presença e natureza do elemento interveniente entre o verbo e o item adverbial; (v) estrutura informacional e (vi) composicionalidade. A hipótese geral é a de que essas duas construções, de configurações formais distintas, são semanticamente semelhantes, no que tange a semântica de qualidade (modo), mas são pragmaticamente distintas, sobretudo quanto ao foco discursivo. Além disso, haveria restrições colocacionais vinculadas aos itens verbo e adverbial em cada um dos padrões.

 

Karine Vieira Pereira

Título: Um estudo da interface sintaxe-semântica em verbos simples e com prefixação no português do Brasil

Orientador: Miriam Lemle

Páginas: 125


Nesta tese, proponho uma análise comparativa da estrutura argumental e dos significados entre os verbos simples, compostos por uma raiz mais verbalizador, como correr, bater, levar, e verbos complexos, compostos de prefixo e derivados da mesma raiz dos verbos simples mais um verbalizador, como concorrer, decorrer, recorrer, debater, combater, elevar, relevar. A expectativa é de que o comportamento sintáticosemântico dos verbos complexos, com leitura composicional ou não composicional, seja mais restrito do que o comportamento dos verbos simples. Esta hipótese tem como base uma teoria do tipo construcionista, a da Morfologia Distribuída, em que a segmentação das palavras é uma continuação da sintaxe sentencial, em oposição a uma teoria lexicalista em que a unidade palavra tem autonomia semântica em relação à sintaxe. O método do trabalho consistiu na busca em verbetes de dicionários e no Google, como também na minha intuição de falante nativo. Os contextos de cada verbo foram analisados tendo em vista as estruturas de evento já clássicas e as sugeridas por Marantz (2007). Esta teoria se mostrou, nesta pesquisa, relevante para a compreensão dos resultados obtidos em nossas observações sobre a estrutura dos verbos, uma vez que de fato a leitura dos verbos com prefixo se mostrou menos variada do que a leitura dos verbos simples.

 

Katharine de Freitas Pereira Neto Aragão da Hora

Título:O Processamento da Correferência Pronominal em Posição de Sujeito e em Posição de Objeto - Um Estudo Comparativo entre Português Brasileiro (PB) e Português Europeu (PE).

Orientador: Marcus Maia

Co-orientador: Paula Luegi Páginas: 279


A fim de definir o nível de distanciamento entre o Português Brasileiro (PB) e o Português Europeu (PE), muitos linguistas têm tomado como base o modelo de Princípios e Parâmetros (Chomsky, 1989) com a finalidade de explicar como os Princípios da GU fundamentam os parâmetros em cada variedade. Tarallo (1996) afirma que PB e PE diferem totalmente em relação à categoria vazia, PB preferencialmente preenchido na posição de sujeito e nulo em posição de objeto e o PE sempre nulo em posição de sujeito e sempre pleno em posição de objeto.

Estudos de corpora relativos à posição de sujeito como os de Duarte (1995) e de Barbosa, Duarte e Kato (2005) verificaram que o Português Europeu (PE) e o Português Brasileiro (PB) diferem no que diz respeito ao preenchimento da posição de sujeito: mais sujeitos preenchidos em PB do que em PE. Nos estudos, também de corpora relativos a posição de objeto, Cyrino e Matos (2016) também verificaram, assim como foi verificado para a posição de sujeito uma disparidade entre as variedades: mais objetos preenchidos em PE do que em PB.

No que diz respeito aos estudos de compreensão na comparação entre PE e PB em posição de sujeito, estudos recentes confirmaram que, de fato, existem diferenças na resolução de formas nulas e plenas (Luegi, Costa e Maia, 2014; e.o.): em PE confirmase a preferência nulo-sujeito e pleno-objeto, mas em PB essa assimetria não se verifica, mantendo-se a preferência para o nulo, mas não se registrando uma preferência clara para a forma plena. Em relação ao objeto nulo, Leitão (2005) observou que fatores como animacidade e paralelismo estrutural desempenham papel significativo.

Tomando como referência de partida a afirmação de Tarallo (1996), com a finalidade de aprofundar as pesquisas comparativas entre PB e PE, na posição de sujeito, o presente trabalho testa estruturas em que o sujeito pronominal, nulo ou pleno, de uma oração completiva deve retomar, forçado pela concordância em número, um de dois antecedentes possíveis que integram um SN complexo, sujeito da oração anterior. Considerando que a forma da expressão anafórica está relacionada com a saliência do antecedente (Ariel, 1990), e tendo em mente a influência da função sintática do antecedente na resolução de pronomes, queremos agora verificar se a posição estrutural relativa dos SNs que integram um SN complexo também tem impacto na resolução de pronomes. Na posição de objeto, o presente trabalho testa estruturas subordinadas em que ora o antecedente da forma nula ou plena é [+animado] ou [-animado] sempre com o traço de especificidade marcado positivamente para não termos interferências de outros traços no momento da retomada.

Os resultados para a posição de sujeito indicam que há tanto em PB quanto em PE uma preferência pela interpretação de nulo retomando o SN1, sendo esse o mais saliente dentro da estrutura e que em PE a forma plena retoma preferencialmente o SN2, que está encaixado, diferentemente do que acontece com o PB, que com a forma plena retoma tanto SN1 quanto SN2 de maneira similar. Os resultados para a posição de objeto indicam que o fator pronome é altamente distintivo entre as variedades, as condições com pleno apresentaram custos de processamento menores para o PE, enquanto a forma nula apresentou custos de processamento menores em PB. Os índices de aceitabilidade foram altos em todas as condições nas duas variedades, sendo a forma plena a que teve índices mais elevados nas duas. Não foram encontrados resultados significativos para o traço de animacidade.

A partir dos resultados encontrados, conclui-se que PB e PE diferem com relação aos parâmetros do sujeito e do objeto nulos, mas apresentam alguns pontos em comum, como a preferência de retomada de SN1 pelo nulo em posição de sujeito. Há alguns pontos que precisam ser mais bem explorados, como o traço de animacidade em posição de objeto, usando outros paradigmas experimentais.

 

Ligiane Pessoa dos Santos Bonifácio

Título:Contato linguístico TIkuna -Português no Alto Solimões- Amazonas: um estudo sobre a variedade de português falada por professores Tikuna

Orientador: Marília Lopes da Costa Facó Soares

Páginas: 268


Esta tese apresenta resultados de uma pesquisa, por meio da qual objetivou-se registrar, analisar e caracterizar a variedade de português de contato falada por professores da educação básica, pertencentes à etnia Tikuna, moradores de comunidades do município de São Paulo de Olivença, na mesorregião do Alto Rio Solimões, no Amazonas. Por meio do registro, da análise e da caracterização do Português Tikuna, buscou-se, também, identificar o estágio aquisitivo e os graus de fluência desses professores no que diz respeito ao português falado por eles como segunda língua. Para alcançar os objetivos, foram analisados dados de fala de vinte e três (23) professores da educação básica. Dezenove (19) deles estão em processo de formação universitária, cursando Pedagogia Intercultural Indígena na Universidade do Estado do Amazonas, três (3) são professores da educação básica que se tornaram estudantes de pósgraduação e um (01) é professor da educação básica da comunidade de Vendaval, graduado pelo programa do Terceiro Grau Indígena da Organização Geral dos Professores Tikuna Bilíngues – OGPTB. Na análise, partimos da seleção de fenômenos linguísticos que englobam aspectos fonético-fonológicos e morfossintáticos dessa variedade, investigando possíveis condicionamentos das variações em jogo, tais como: a) presença de traços particulares relacionados a mecanismos de transferência da L1 para L2 nesse processo de aquisição da segunda língua, b) replicação de condicionamentos conforme os falantes nativos do Português Brasileiro, c) apresentação de alguma semelhança com outras variedades de português indígena do Brasil. Adotamos, como basilares para a fundamentação teórica de nossa pesquisa, os pressupostos do Contato Linguístico e da Sociolinguística, a partir de trabalhos como o de Weinreich (1953), Thomason e Kaufman (1988), Weinreich, Labov e Herzog (2006 [1968]), Winford (2003), Thomason (2001), Matras (1998, 2009), dentre outros, por nos possibilitarem analisar efeitos do contato linguístico na variedade de português falada pelos professores Tikuna que elencam nosso estudo, principalmente no que se refere à aquisição de segunda língua, ao bilinguismo e à variação. De forma mais específica, em nossa análise, com relação à investigação sobre identidade e usos linguísticos relacionados ao contato, lançamos mão de autores cujos trabalhos contêm discussões que, podendo ser levadas a cenários com encontros de culturas e/ou de línguas, são proveitosos para a nossa investigação, como, por exemplo, além dos já citados anteriormente, Fishman (1967,1975), Labov (2008 [1972b]), Tabouret-Keller (1998), Appel & Muysken (2005), entre outros. Naquilo que envolve especificamente a língua Tikuna no quadro do presente estudo, recorremos a trabalhos voltados para a análise dessa língua tal como é falada no Brasil: Soares (1984, 1986, 1991, 1992a, 1992b, 1994, 1995, 1997, 2000a, 2000b, 2005a, 2005b, 2017). Já no que diz respeito aos temas da identidade e do uso linguístico, acrescidos das questões relativas à variação existente no português brasileiro, especificamente nas variedades faladas por indígenas, valemo-nos de estudos como os de: Emmerich (1984), Mollica (1997), Paiva (1997), Christino & Lima e Silva (2012), Amado (2015), Braggio (2015), entre outros. Assim sendo, ao lado do método etnográfico, seguimos procedimentos adotados em pesquisas sociolinguísticas, com especial atenção à representatividade da amostra, à identificação e ao agrupamento de fatores sociais que caracterizam os participantes e se relacionam a fenômenos linguísticos por eles manifestos. Os resultados apontam que o contato com falantes nativos de PB tem culminado em uma variedade do Português Tikuna que, dentre outros fatores, apresenta: 1. transferência da L1 nos níveis estudados; 2. replicação de condicionamentos conforme falantes nativos do PB ; 3. semelhança com outras variedades indígenas de PB. Os dados que evidenciam a presença de elementos particulares da língua Tikuna na variedade de português usada por esses professores constituem um elemento significativo na caracterização do Português Tikuna. Cabe, ainda, dizer que os fatores socioculturais, relacionados à dinâmica do contato linguístico, à identidade e aos usos linguísticos repercutem na variedade do português falado pelo grupo investigado e determinamo continuum linguístico que se estabeleceu a partir dos diferentes estágios e fluências dos professores participantes de nosso estudo.

 

Lorena Cardoso dos Santos

Título:A correlação entre sintagmas nominais complexos e o gênero notícia política: uma análise comparativa entre o suporte impresso e o digital

Orientador: Vera Lúcia Paredes Pereira da Silva Páginas: 116


O objetivo geral desta tese é investigar a correlação que existe entre o uso de sintagmas nominais complexos e o gênero notícia política, utilizando, para tal, exemplares de notícias de cunho político disponibilizadas no site de notícias G1 e no jornal O Globo. Trata-se, portanto, de uma análise comparativa entre os suportes impresso e digital. O estudo parte da forma e chega à função, e utiliza o Sintagma Nominal Complexo (doravante SNC) como um de seus traços definidores. No sentido de tomar o SN como um dos parâmetros na caracterização dos gêneros textuais (cf. SANTOS, 2015), examinamos sua constituição e funções. Desse modo, a análise dos SNC foi feita em correlação com a constituição do gênero em estudo. Considera-se complexo o SN que possui dois ou mais itens lexicais. É importante ressaltar que não só o uso de modificadores, Spreps e orações adjetivas encaixadas pode ser considerado fator de peso (complexidade) no SN, mas também aspectos discursivo-funcionais, como o estatuto informacional (cf. PRINCE 1981, 1992). Este aspecto, aliás, está em estreita correlação com a posição que o SN ocupa na sentença, pois segundo Wasow (1997), estruturas pesadas tendem a vir à direita do verbo, numa posição de peso crescente, o que corrobora o “Princípio do sujeito como ponto de partida leve”, de Chafe (1987). Desse modo, à luz do Funcionalismo norte americano e das Análises de Gêneros (cf. Bakhtin 2003 e 2014, Marcuschi 2008 e Paredes Silva, 2010 e 2012), analisamos o SNC através de um continuum de complexidade. Os critérios para medir a complexidade dos SNC foram: (i) a estrutura composicional do SN, (ii) a posição desses SNC em relação ao verbo e (iii) aspectos discursivo-funcionais dos SNC. Os resultados mostram que as notícias políticas impressas possuem uma complexidade estrutural maior, ou seja, com maior incidência de SNC e com SNC mais pesados do que o gênero disponível na web. Estas características afastam este gênero de um protótipo de notícia, e nos permitem discutir sobre as influências que o suporte possui sobre a composição dos gêneros que veicula. Essa influência do suporte se deve a uma correlação entre o uso de SNC e as sequências textuais – mais ou menos narrativas – do gênero notícia política.

 

Lucas do Nascimento

Título:Insinuações da carne: ordem da imagem e sentidos do olhar

Orientador: Tania Conceição Clemente de Souza Páginas: 217


A questão inaugural desta tese é de natureza epistemológica sobre o percurso de leitura do olhar de fotografia digital publicitária: como ler fotografia digital como imagem-discurso? Para respondê-la, investimos na produção conceitual de imagem cosmética e de escrita fotográfica, baseada em ‘paráfrases visuais’, ‘policromias’ e ‘memória alegórica’ (SOUZA, 2001; 2011; 2012). O nosso corpus de análise são imagens de ensaio fotográfico de Dicesar por Dimmy Kieer e seus big brothers gêmeos, para a revista G Magazine, além de resultados de experimento de rastreamento ocular de leitura de fotografia digital de sua capa e seis enunciados circulados em sites de publicidade e propaganda sobre a edição dessa revista. O aporte teórico-metodológico é a Análise do Discurso de linha francesa, a Linguística Cognitiva e a Linguística Experimental. Esse diálogo se justifica por meio da questão da linguagem e do simbólico em psicologia (que nos ancoramos em PÊCHEUX; HENRY; HAROCHE; GADET, 1982, que trataram a psicolinguística como resposta à questão da linguagem em psicologia). Por isso, buscamos conceitos como ‘espaço de ponto de vista do discurso’ e ‘extensão metafórica’ (FERRARI, 2011; 2016; 2017). Com o objetivo geral de contribuir para a compreensão do processo semântico ‘polissemia do olhar’ (envolvido na visualização de imagens), pode ser dito que o rastreamento ocular identificou a “trituração de leitura” (PÊCHEUX, 1980) dos sujeitos participantes, uma vez considerados os movimentos oculares como sequências discursivas de trituração visual: vimos essas sequências do sujeito M. A., que, por um lado, o seu percurso de leitura do olhar indicia uma ‘matriz de inteligibilidade de gênero’ (BUTLER, 1990), podendo, assim, desestabilizar o pertencimento ao seu grupo heterossexual, cuja extensão metafórica resultar na policrômica cueca do modelo direitoo, área de seu maior interesse, por outro, a leitura corrobora a afirmação dada pelo seu grupo de que há nudez na imagem, tendo em vista o modelo apenas usar uma lingerie, nada mais como vestuário. Além disso, a média de resultados dos seis grupos em relação à leituratrituração demonstrou maior interesse em três áreas da imagem de capa: o rosto da drag queen, o enunciado Dicesar por Dimmy Kieer e seus big brothers gêmeos e o rosto do modelo direito. Sobre o rosto, analisamos com base em Courtine e Haroche (2007). Em se tratando dos seis enunciados publicitários em circulação online, vimos que são apresentados confrontos discursivos com a materialidade imagética da capa da revista. Por isso, a leitura aparentemente de nudez teve sua linguagem em funcionamento pela normatividade de específico grupo sexista, o que indica a desregulação do corpo masculino e a indisciplina do corpo na história da heteronormatividade. O machismo afirma a nudez masculina em capa publicitária da G Magazine, edição de maio de 2010.

 

Manuela Correa de Oliveira

Título:Throw out the trash e throw the trash out: estudo diacrônico de phrasal verbs com a prtícula out

Orientadora: Maria da Conceição Auxiliadora de Paiva Páginas: 248


O presente trabalho investiga o desenvolvimento de phrasal verbs transitivos contínuos e descontínuos com a partícula out: throw out the trash (jogar fora o lixo) e throw the trash out (jogar o lixo fora), respectivamente, com base no quadro teórico dos Modelos Baseados no Uso e, mais especificamente, nos pressupostos da Gramática de Construções. A partir de uma análise diacrônica dessas construções ao longo dos séculos XVII a XX (Segunda Fase do Inglês Moderno), verifica-se a hipótese de que PVTs contínuos e descontínuos constituem duas construções distintas, licenciadas por um padrão mais geral de combinação verbo-partícula. Buscam-se, ainda, evidências para a discussão da relação de herança entre PVTs e a Construção de Movimento Causado, proposta por Goldberg (2016), a partir da questão da ordem default dos PVTs. A hipótese a ser sustentada é a de que a construção contínua teria emergido a partir de mudanças mais gerais na sintaxe do Inglês Médio, de OV para VO. A adjacência da partícula a V teria acompanhado essa trajetória, resultando em maior frequência do padrão [V out SN] no Inglês Moderno. Com o objetivo de verificar as hipóteses apresentadas, são utilizados dados de textos representativos do século XVII ao século XX para a escrita, coletados das bases de dados Corpus Representativo de Registros Históricos do Inglês (ARCHER - A Representative Corpus of Historical English Registers) e do Corpus Nacional do Inglês Britânico (BNC – British National Corpus), este também para a fala do século XX. A fim de identificar a trajetória de [V out SN] e [V SN out], são consideradas as frequências token e type de cada uma dessas construções, as propriedades sintáticosemânticas das formas verbais que preenchem o slot V e as características morfossintáticas e semântico-discursivas do SN complemento. Os resultados obtidos evidenciam a alta frequência token da construção contínua e sua expressiva produtividade na escrita, ao longo de todo o período analisado, e também na fala do século XX. No que concerne ao tipo morfossintático de complemento verbal, ficou comprovada a forte associação entre pronomes clíticos na construção descontinua, por um lado, e, por outro, entre os complementos oracionais na construção contínua, indicando a relevância do princípio de foco final e do princípio ligado ao peso do SN complemento. A análise diacrônica permitiu identificar uma trajetória de expansão da construção descontínua em direção ao licenciamento de complementos com núcleos nominais, predominantemente definidos, menos extensos e que codificam informação evocada. Depreendem-se da análise, ainda, evidências de que o clítico pode ser considerado o membro central do padrão descontínuo, que, por um processo analógico, se estendeu para sintagmas de núcleo nominal, acionado por uma das suas propriedades inerentes, qual seja, seu status informacional evocado.

 

Márcio Lázaro Almeida da Silva

Título:Na trama dos sentidos: o edital de concurso público sob a ótica da análise de discurso

Orientadora: Tania Conceição Clemente de Souza Páginas: 236


O edital de concurso público, tomado sob o prisma da Análise de Discurso, é um campo do saber que traz a articulação entre o simbólico e o político, o que nos permite colocá-lo numa posição privilegiada de investigação. Frise-se que se trata de um texto prescritivo de regras que governam o concurso público, uma das maiores conquistas políticas dos trabalhadores no Brasil. O concurso concentra uma típica relação inscrita no modelo econômico do capitalismo: a relação entre instituição/Administração e homem/administrado; em outras palavras, uma relação entre os que detêm os meios de produção e os que pretendem vender sua força de trabalho. Esta tese tem por objetivo apresentar uma análise da prática discursiva produzida pelo Estado em edital de concurso público, levando em consideração: (i) a constituição histórica dos sentidos que circulam hoje nos editais, por meio da incorporação/desincorporação de dizeres e sentidos no transcurso do tempo, e (ii) os deslocamentos de sentidos operados pelo efeito metafórico – deriva – nas atuais formulações do nosso objeto. Para o desenvolvimento da análise, fizemos uma pesquisa documental, pela qual foi possível construir dispositivos de arquivo formados basicamente por leis e editais, e confrontamos esses arquivos com os pressupostos teóricos da Escola Francesa de Análise do Discurso. Foram mobilizadas, da AD, dentre outras, as noções de interdiscurso, formação discursiva, formação ideológica, intradiscurso, paráfrase, polissemia e silenciamento.

 

Mariana Ximenes Bastos

Título:O gênero artigo divulgação científica: um estudo comparativo na perspectiva da interação autor-leitor

Orientadora: Vera Lúcia Paredes Pereira da Silva Páginas: 154


O objetivo desta Tese é apresentar um estudo comparativo entre artigos de divulgação cientifica (ADCs) com o intuito de ampliar o quadro investigativo sobre essa temática. Entende-se que os gêneros de divulgação científica (DC) têm por finalidade levar ao conhecimento do grande público os mais diferentes assuntos do campo científico. Para que isso seja possível, é preciso que sejam utilizadas estratégias que tornem a leitura compreensível para o público leigo e, ainda, que chamem sua atenção. Nesta pesquisa, apresentamos os traços constituintes dos ADCs dos quais os autores se servem para conquistar a audiência. Tais estratégias funcionam de maneira argumentativa nos artigos, o que se observa tanto pelo traço dialógico na referência direta ao leitor, na exemplificação, na utilização de perguntas como na seleção léxico-gramatical, de acordo com a Teoria da Avaliatividade (MARTIN e WHITE, 2005) sob o arcabouço da Linguística Sistêmico-Funcional (HALLIDAY, [1985] 2014). Tendo em vista a diversidade de publicações que se intitulam como de Divulgação Científica, observamos aspectos diferenciadores entre publicações escritas por jornalistas (Superinteressante e Galileu) e as escritas por especialistas da área (Filosofia, Psique e Visão Jurídica). Tais aspectos fazem com que essas revistas conquistem ou, ainda, direcionem-se a públicos distintos: uma audiência mais diversificada, de um lado, e uma com interesse prévio no assunto, de outro. Assim, tanto a autoria quanto o público-alvo dos ADCs funcionam como o fio condutor para a nossa proposta de análise, visto que é a partir da relação autorleitor que a caracterização do gênero emerge. Para dar conta dessa proposta, examinamos cinco artigos de cada um desses dois grupos de publicações que abordam o mesmo tema e, assim, analisamos a influência desses aspectos – autoria e público-alvo – a partir das estratégias linguístico-discursivas de cada um. Esses aspectos se refletem, por sua vez, no estilo do texto, nos termos de Bakhtin ([1979] 2003), o que nos leva a propor uma ampliação da caracterizaçãodo gênero, situando os ADCs não temáticos como mais próximos do domínio acadêmico e os ADCs temáticos do domínio jornalístico.

 

Monique Petin Kale dos Santos Fernandes

Título:A formação das microconstruções uma vez que, já que e assim que: uma abordagem cognitivo-funcional

Orientadora: Maria Maura da Conceição Cezario Páginas: 158


O presente trabalho tem como objetivo explicitar a formação das microconstruções uma vez que, já que e assim que entre os séculos XIII e XIX, com base na construção abstrata [[Xque]CONECT (Y) VP]CLÁUSULA, a partir dos pressupostos teóricos da Linguística Funcional Centrada no Uso. Dessa maneira, nossa pesquisa propõe-se investigar a mudança que sucedeu no uso das formas uma vez/ já/ assim e do pronome que, passando de um advérbio (de tempo ou modo) + que, tornando-se uma microconstrução conectiva. Com base nessa perspectiva, apresentamos a configuração da rede construcional a fim de explicar a elaboração dessas microconstruções conectivas. A partir do referencial teórico da Linguística Funcional Centrada no Uso, buscamos observar o fenômeno da mudança linguística, levando em consideração tanto os fatores cognitivos, tais como chunking, analogia, associação transmodal (BYBEE, 2010), quanto fatores ligados à frequência de uso dessas construções. Assim sendo, omodelo utilizado é o da Construcionalização e das Mudanças Construcionais (TRAUGOTT & TROUSDALE, 2013; TRAUGOTT, 2010, 2015) que aplica a teoria da Gramática de Construções (GOLDBERG, 1995, 2006; CROFT, 2001), para explicar a mudança da rede linguística, vista como uma rede nós (binômio forma e função) que são conectados de modo hierárquico. Para tanto, analisamos os dados qualitativa e quantitativamente, em corpora de língua escrita de registro formal entre os séculos XIII e XIX, cujos gêneros discursivos são compostos, por cantigas religiosas, por cartas jesuíticas e por textos de natureza narrativa, de cunho religioso. Em nossa tese de doutorado, comprovamos que o esquema [[Xque]CONECT (Y) VP]CLÁUSULA contribui para a formação das microconstruções conectivas uma vez que, já que e assim que, configurando novos nós na rede construcional. Deste modo, observamos três parâmetros na análise construcional: produtividade, esquematicidade e composicionalidade. Atestamos que o aumento da produtividade é devido à maior frequência de itens que sejam recrutados a ocuparem o slot (X) da construção. A esquematicidade concerne à quantidade de elementos que preenchem o slot (X), visto que quanto maior o número desses elementos, mais abstrata será a construção. Já a composicionalidade corresponde ao fato de que soma dos constituites da construção não leva ao seu significado. Portanto, ao sofrer o processo de construcionalização, as microconstruções estudadas perdem o sentido de suas partes e se tornam mais opacas.

 

Agências de Fomento